Mosteiro da Vinha, um monumento que chama ao descanso junto ao Duero

Uma abadia românica e gótica convertida em um hotel econômico em Burgos

Ao descer o último trecho da estrada, avista-se a silhueta de um importante monumento. A esplanada em frente à qual se abre a recepção permite vislumbrar a magnífica fachada do mosteiro de Santa María de la Vid, um pouco mais longe.

Foi em 1140 quando Sancho Ansúrez e Domingo Gómez de Campdespina, dois nobres estudantes da então recentemente inaugurada Universidade Sorbonne em Paris, voltaram aos seus feudos castelhanos para fundar os primeiros dois mosteiros premonstratenses da Península: Santa María de Retuerta. (Hoje Abadía A vinícola Retuerta, com seu luxuoso hotel Le Domaine, na Ribera del Duero) e Santa María del Monte Sacro, mudou-se duas décadas depois para a outra margem do Douro com o nome da Vinha.

Românico e gótico se alternam nas naves e claustros até que, em 1516, o abade Íñigo López de Mendoza manda erguer um novo claustro e uma igreja nas atuais molduras renascentistas que acolheram outras reformas barrocas empreendidas no século XVIII.

Aqui se conserva o único bestiário (coleção de fábulas sobre animais) castelhano que existe no mundo, e que foi escrito em 1570. No monumento não faltam anedotas e histórias, tantas que justificam a transformação da antiga pousada monástica em hotel moderno inaugurado em 2020, em convulsão pandêmica completa.

Um dos quartos simples disponíveis neste hotel simples

Com suas instalações imaculadas, porém incomuns, e inesperadas em um alojamento de abadia, o Mosteiro da Vinha vale a viagem de qualquer ponto remoto. Aqui você pode sentir o cheiro de outra essência de modéstia e fechamento, outro ritmo tão lento, mas não menos esperançoso de uma vida boa. Encantamento, espiritualidade, silêncio e perambulação ociosa ao longo do caminho ribeirinho do Duero também são formas de viver bem.

O primeiro andar é dedicado aos quartos. Deixa-se a escada, ou o elevador, contemplar, à direita, a biblioteca e a área privativa dos monges da ordem de San Agustín, que desde 1856 habitam o monumento após o inefável confisco de Mendizábal. À esquerda se sucedem os quartos, cujas janelas dão para o claustro. Algum dia teremos de ver-lo mais bem decorado.

Não há serviço de catering. Mas, se você simpatizar, pode jantar na cafeteria o mesmo cardápio que os agostinianos recebem em seu refeitório.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: