Mosteiro da Vinha, um monumento que chama ao descanso junto ao Duero

Uma abadia românica e gótica convertida em um hotel econômico em Burgos

Ao descer o último trecho da estrada, avista-se a silhueta de um importante monumento. A esplanada em frente à qual se abre a recepção permite vislumbrar a magnífica fachada do mosteiro de Santa María de la Vid, um pouco mais longe.

Foi em 1140 quando Sancho Ansúrez e Domingo Gómez de Campdespina, dois nobres estudantes da então recentemente inaugurada Universidade Sorbonne em Paris, voltaram aos seus feudos castelhanos para fundar os primeiros dois mosteiros premonstratenses da Península: Santa María de Retuerta. (Hoje Abadía A vinícola Retuerta, com seu luxuoso hotel Le Domaine, na Ribera del Duero) e Santa María del Monte Sacro, mudou-se duas décadas depois para a outra margem do Douro com o nome da Vinha.

Românico e gótico se alternam nas naves e claustros até que, em 1516, o abade Íñigo López de Mendoza manda erguer um novo claustro e uma igreja nas atuais molduras renascentistas que acolheram outras reformas barrocas empreendidas no século XVIII.

Aqui se conserva o único bestiário (coleção de fábulas sobre animais) castelhano que existe no mundo, e que foi escrito em 1570. No monumento não faltam anedotas e histórias, tantas que justificam a transformação da antiga pousada monástica em hotel moderno inaugurado em 2020, em convulsão pandêmica completa.

Um dos quartos simples disponíveis neste hotel simples

Com suas instalações imaculadas, porém incomuns, e inesperadas em um alojamento de abadia, o Mosteiro da Vinha vale a viagem de qualquer ponto remoto. Aqui você pode sentir o cheiro de outra essência de modéstia e fechamento, outro ritmo tão lento, mas não menos esperançoso de uma vida boa. Encantamento, espiritualidade, silêncio e perambulação ociosa ao longo do caminho ribeirinho do Duero também são formas de viver bem.

O primeiro andar é dedicado aos quartos. Deixa-se a escada, ou o elevador, contemplar, à direita, a biblioteca e a área privativa dos monges da ordem de San Agustín, que desde 1856 habitam o monumento após o inefável confisco de Mendizábal. À esquerda se sucedem os quartos, cujas janelas dão para o claustro. Algum dia teremos de ver-lo mais bem decorado.

Não há serviço de catering. Mas, se você simpatizar, pode jantar na cafeteria o mesmo cardápio que os agostinianos recebem em seu refeitório.

Um comentário em “Mosteiro da Vinha, um monumento que chama ao descanso junto ao Duero

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: