Por um caminho de Água e Rocha

O vale do rio Mesa, no vértice de Guadalajara, Soria e Zaragoza – região de Aragón, nordeste da Espanha -, articula um percurso tranquilo que contorna desfiladeiros, planícies, ermidas* e castelos, até as belas cachoeiras do Mosteiro de Piedra.

Lugares com uma bela aparência que ninguém parava de ver com calma, jurando voltar quando aquela calma feliz finalmente chegasse … e quase nunca a cumprindo. Um pouco como a vida pré-gravidez: o ímpeto da pura inércia, as listas intermináveis ​​de coisas para fazer, tentar e ver, a consciência intermitente de deixar muitos outros na sarjeta, tão bons ou melhores. Talvez este segundo verão estranho e pandêmico seja uma boa hora para parar no acostamento, desligar o motor e seguir em frente. Tudo o que você precisa fazer é pegar um desvio para fora da rodovia ou pular as filas de embarque e os controles do aeroporto.

A pequena estrada municipal que atravessa o curto vale do rio Mesa, entre Soria, Guadalajara e Zaragoza, é como uma fita empoleirada na paisagem que pode ser levada por uma rajada de vento. E um bom exemplo de que viajar não precisa ser sinônimo de ir muito longe. Uma paisagem humilde mas nobre; frágil mas dura, cheio de nuances para quem se detém para as distinguir. A Mesa corre pelo Jalón para o Ebro e por este para o Mediterrâneo, e às vezes é aragonês e mourisco em seus pomares bem cuidados, suas planícies de árvores frutíferas bem podadas e nogueiras muito antigas e choupos, com seu sistema labiríntico de canais de irrigação, canais, represas e velhos moinhos que certamente foram extraídos há mais de mil anos e continuam a levar água e vida por todo o vale desde então.

Por vezes torna-se mais castelhano, do lado de Soria, com zimbros e mouros que parecem ter visto a passagem do Cid (pelo menos), com os castelos de pedra em ruínas que guardavam este pedaço de terra disputado por dois reinos , com piscinas e cachoeiras onde se pode tomar um banho frio e solitário em meados de agosto. E vangloria-se do senhorio sóbrio, digno do despedimento, do Senhorio de Molina, e que desde o seu imponente recinto amuralhado exerceu jurisdição sobre o vale durante séculos. Com razão, os moradores de suas cidades diziam que em alguns de seus cantos os governadores de Aragão e de ambas as Castilhas podiam sentar-se a uma mesa triangular para almoçar sem sair de seus domínios.

Parte interior da Gruta Iris em Monasterio de Piedra – Nuevalos (Zaragoza – Espanha)

O rio Mesa nasce sem rebuliço no Concelho de Selas, em Guadalajara, e já corre despovoado, entre charnecas e choupos, até Mochales, um ótimo local para começar a caminhar. Por aqui, a paisagem muda repentinamente; o rio forma um vau e atravessa a cidade muito limpo, que parece ter saído de um desenho da infância. Tem uma Câmara Municipal com um bom relógio na praça, e uma boa igreja e boas casas; e especialmente boas planícies férteis e melhores pomares que a refrescam no meio do verão, embora seja no final da primavera por aqui quando suas fileiras de cerejeiras enxertadas e podadas por gerações parecem o seu melhor.

Surge um dos primeiros peirones do percurso, típico de Aragão e das terras de Molina: pilares de pedra que demarcavam a entrada e saída dos povoados e guiavam os caminhantes perdidos na neve, coroados por nichos de virgens ou santos de telha de ferro torta e cruzes, se resistirem.

De Mochales pode-se lançar rio acima a uma caminhada de montanhas e cobras, sempre à sombra, onde além de um chapéu o que vamos precisar é de um bom calçado para vadear o rio mais de 10 vezes seguindo o caminho que deixa para trás velhos pomares de nogueiras, ninguém vira no outono.

A parte mais bonita e selvagem começa no Tormo Melero, uma imensa pedra com o ar de um colossal totem plantado no meio de um dos últimos vales e que, devido ao seu nome, deve ter sido o abrigo perfeito para as abelhas de recém-nascidos. colmeias enxameadas. A partir daqui o rio se encaixa em um desfiladeiro com floresta ribeirinha de freixos de Montpellier, salgueiros e bordos, bosques de buxo e madressilva e remansos onde a água transparente o convida a mergulhar e mergulhar. Como prêmio, no final, está a bela cachoeira e o correspondente tanque de trutas do Escalerón, mais ou menos espetacular e profundo dependendo do fluxo que o rio carrega no verão.

No total, é um passeio agradável e repousante, porque é plano e à sombra, e no caminho de volta haverá forças para desviar um pouco e ver de perto a ermida de San Pascual Bailón, sobre uma pequena colina, com volumes nobres, fonte abundante e prados arborizados para peregrinações antigas ou piqueniques mais modernos. Melhor não ir no caminho para evitar a tentação de embalar a mochila antes de começar.

Pueblo de Villel de Mesa – província de Guadalajara – Espanha

Castelo à vista

Entre Mochales e Villel de Mesa, o vale se alarga um pouco e do carro se vê o bom trabalho de seu castelo rochoso, vermelho e memorável até no nome: o castelo dos Funes. Logo se percebe que esta é a importante cidade do vale, o que é confirmado pela nobre casa-palácio dos Marqueses de Villel e seu elegante portal com colunas e brasões. A extravagância de um acréscimo neo-morisco é uma frivolidade que curiosamente não se choca, porque lhe dá um ar romântico e por ser muito mourisco, mais uma vez, o caminho fresco e sombrio que leva, entre pomares e grandes choupos, aos tanques e as cachoeiras do Pozo Galano, que homenageia seu nome e são frescas mesmo em dias de muito calor.

Possui também uma cachoeira, que é boa para banho, Algar de Mesa, a próxima cidade. É o de Chorrera, e adorna um vale rico em fontes: o Fuente María, o Recuenco e o Navajo Nuevo. Existem antigas ermidas e peirones; mais uma das muitas Cuevas de la Mora, incluindo uma lenda das huris encantadas, que se encontram por toda esta terra, e uma impressionante azinheira milenar que compensará com a sua sombra quem a atravessa.

Claustro do Monasterio de Piedra – Nuevalos – Zaragoza – Espanha

A partir daqui, o rio e a estrada envolvem-se num primeiro grupo de desfiladeiros e desfiladeiros que mais tarde a tornarão famosa, já em Aragão, entre Calmarza e Jaraba. Não há pomares agradáveis ​​por aqui: cantiléveres de rocha vermelha, abutres esbranquiçados e abutres voando sobre a estradinha imersa na sombra durante grande parte do dia, mesmo no verão. Eles podem ser observados à vontade apenas colocando o carro de um lado ou do outro de suas valas. E de repente a noção de um grande silêncio e uma sensação de ter entrado em grandes solitudes por um caminho dos que irão e não voltarão.

Calmarza já é aragonês, e Saragoça para ser mais exato: a aldeia amontoa-se sobre um contraforte rochoso, aproveitando a trégua que o rio dá entre os trechos de canyoning. Tem uma freguesia muito boa com vestígios e uma cúpula barroca, que vale a pena visitar se a apanharmos aberta, e sobretudo um bar muito bom para fazer uma paragem técnica para cerveja e sandes, e até para passar a tarde a conversar, com mesas ao ar livre e inclinadas para as cachoeiras do Pozo Redondo, formadas pela Mesa quando a pedra de tufo foi largada e martelada durante séculos.

Nas proximidades, existem restos de calcário, os poços de cal virgem que algum dinheiro trouxe para a cidade no passado, e velhos celeiros e currais que estão acima dela. E, novamente, aproveitando cada centímetro de terra fértil e cada gota de água, pomares de primeira linha que margeiam as muitas trilhas que partem e retornam à cidade.

Dependendo do calor, da vontade e da gana de cada um, pode-se subir ao mirante dos Buitres para ter uma ideia completa desde uma vista aérea do trecho mais espetacular dos Hoces del Mesa, que leva a Jaraba, a jusante, ou para caminhar a pé e na planície, um trecho particularmente belo do seu leito, sombreado por pinheiros e amieiros, atravessado por pontes precárias e sob falésias que, mais do que verticais, parecem precipitar-se sobre o rio.

Santuário de Nuestra Señora de Jaraba, situado no penhasco de La Hoz Seca

Na curva mais íngreme, encontramos o santuário de Nossa Senhora de Jaraba, uma espécie de Monte Athos seco e seco, se apega às paredes com unhas e dentes, da mesma cor e textura das falésias em que está pendurada. É um dos muitos santuários de lendas visigóticas anteriores à era muçulmana, com seu aparecimento oportuno da Virgem bem a tempo de sustentar a reconquista cristã.

Visto de baixo, é ao mesmo tempo sólido e precário, imaginativo e severo, como se, no esforço de escalá-lo em tal local, quem o desenhou se esquecesse de lhe dar ornamentos de pedra ou floreios. Nem falemos de árvores ou flores, porque nestes penhascos chamuscados pelo sol quente e pelo frio da Sibéria, quase nada acontece mais. É o ponto de partida para percorrer o desfiladeiro de Hoz Seca, que abriga pinturas rupestres. Mas no meio do verão é preciso escolher muito bem a época para não cair no fundo da ravina, que faz jus ao seu nome, e acabar como as outras pilhas de ossos crus de ovelhas e cabras que os abutres têm meticulosamente descascado.

Piscina termal do Balneário de La Virgen – Jaraba – Zaragoza – Espanha

Alguns quilômetros rio abaixo, o plano muda completamente quando você chega a Jaraba, porque a cidade é conhecida desde os romanos por suas fontes termais abundantes e restauradoras. Tem até três spas desde meados do século XIX, e a verdade é que por aqui às vezes dá a sensação de que o tempo parou só naqueles anos.

O luxo e a sofisticação de Vichy ou Baden-Baden não são esperados, mas a textura e os sabores dos verões sensíveis da velha burguesia antiquada, quando tomar as águas, se curar em repouso e passar a tarde passeando foram excelentes férias plano. Destaque para o Serón e, embora esteja fechado agora, dá para passear pelo seu frondoso parque à beira do rio até o da Sicília (que reabrirá, em princípio, a partir de agosto) e o da Virgem. , operando desde março.

Tem uma gruta falsa com rochedos e riachos de água salutar, bancos à sombra, uma capela neogótica para missas e rosários para matronas de famílias ordeiras, um hotel espaçoso e degradado e, em geral, um ar rançoso muito agradável, a partir da história do Clarín ou do Pardo Bazán, ou do cenário para a lua-de-mel moderada de Jacinta e Juanito Santa Cruz no início de Fortunata e Jacinta.

A Mesa sai de Jaraba rumo ao seu final na represa de Tranquera, com tempo ainda de se formar as cachoeiras do Paradera no município de Ibdes, próximo à Gruta de las Maravillas, que sem ultrapassar as promessas do nome Sim, é uma parada recomendada, principalmente por sua frescura, porque o calor das estepes do Baixo Aragão já é quente aqui.

O povoado aragonês de Nuévalos, às margens do reservatório de Tranquera – Zaragoza – Espanha

Meca das Excursões

Para descansar e pernoitar e, sobretudo para se refrescar, pode terminar o percurso continuando mais um trecho até ao fabuloso Mosteiro de Piedra —que acaba de reabrir ao público—, meca das excursões nacionais que todos neste país , de norte a sul e de leste a oeste, acabamos nos visitando pelo menos uma vez na vida.

Não é por menos, porque é um experimento paisagístico e sociológico muito interessante do século XIX, um precursor do parque de diversões contemporâneo, com seu itinerário fixo de cachoeiras e cavernas, e suas ruínas, restaurante, loja e hotel que hoje nós chamaríamos de temática.

Se o que você quer mesmo é tomar banho para tirar o pó da estrada, onde você deve ir é a outro famoso balneário mais famoso, os Banhos Termais Pallarés de Alhama. Tem hotéis, jardins e um antigo casino, mas o melhor é o lago transparente de águas quentes e termais, com a sua ilha artificial e o seu pavilhão de banhos, outra vez mourisco. Tem ingressos de um dia para curtir.

Aconselha-se seguir em direção a Embid de Ariza e à imponente e melancólica Casa de la Vega, uma casa de trabalho muito nobre com capela, quinta, jardim abandonado, soberbas avenidas de plátanos e trigais. Aí é preciso ver bem a famosa galha de catedral que já era velha nos tempos dos Reis Católicos: chamam-lhe a Árvore do Encontro porque, segundo a lenda, Isabel de Castela e Fernando de Aragão teriam-se visto pela primeira vez em sua sombra. Parece mais documentado que era o Sítio Real de sua filha Juana la Loca, e lá ela penou como viúva, com seu luto inconsolável, antes de terminar encerrada em Tordesilhas.

Quando a noite cai e com a brisa os campos de trigo começam a respirar novamente, é claro que todos ficam mais do que predispostos a acreditar, e quase ver, esses e outros fantasmas passarem.

(*) Ermida é uma pequena igreja ou capela, em lugar ermo ou fora de uma povoação

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: